Terça-feira, 30 de Junho de 2009

Cabeço das Pombas

As Gravuras Rupestres do Cabeço das Pombas estão presentes num afloramento granítico na freguesia de Pinheiros, no belo concelho de Tabuaço.
As Gravuras constituem uma manifestação artístico-religiosa de grande importância, que se pensa datarem da Idade do Bronze, desconhecendo-se, com rigor, a sua simbologia. Não obstante, é de crer que as figuras estarão associadas a algum acto cerimonial.
Este seria já na época um local de culto, ainda hoje apelidado de Santuário do Cabeço das Pombas. As figuras estão agrupadas por conjuntos, gravadas em diferentes épocas, sendo os mais antigos o ramiforme central e o conjunto da direita do painel, com excepção da representação de uma cara que é notoriamente posterior.

 

 

publicado por Trasmontesdepaisagens às 00:01

link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 29 de Junho de 2009

Ola de Santa Marinha

publicado por Trasmontesdepaisagens às 00:01

link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 28 de Junho de 2009

Viduedo

publicado por Trasmontesdepaisagens às 00:01

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sábado, 27 de Junho de 2009

Canastro (Baião)

publicado por Trasmontesdepaisagens às 00:01

link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 26 de Junho de 2009

Earth Song

http://www.youtube.com/watch?v=f8muMo0fw_M

publicado por Trasmontesdepaisagens às 22:06

link do post | comentar | favorito
|

Casa da Torre da Lagariça (Casa de Ramires)

 

 

Inspiração Queirosiana
“A sala de jantar da Torre, que abria por três portas envidraçadas para uma funda varanda alpendrada, conservava, do tempo do avô Damião … dois formosos panos de Arrás representando a «Expedição dos Argonautas». Louças da Índia e Japão, desirmanadas e preciosas, recheavam um imenso armário de mogno. E sobre o mármore dos aparadores rebrilhavam os restos, ainda ricos, das pratas famosas dos Ramires que o Bento constantemente areava e polia com amor… almoçava e jantava na varanda luminosa e fresca, bem esteirada, revestida até meio muro por finos azulejos do séc. XVIII, e oferecendo a um canto, para as preguiças do charuto, um profundo canapé de palhinha com almofadas de damasco.”
“ Por baixo da Torre (como lhe contara o papá) ainda negrejava a masmorra feudal, meio atulhada, mas com restos de correntes chumbadas aos pilares, e na abóbada a argola donde pendia o polé, e no lajedo os buracos em que se escorava o potro. E, nessa surda e húmida cova, ovençal, bufarinheiro, clérigos e mesmo burgueses de foro uivavam sob o açoite ou no torniquete, até largarem, agonizado, o derradeiro morabitino. Ah! A romântica torre, cantada tão meigamente ao luar pelo Videirinha, quantos tormentos abafara!...”
“ E como o visconde aludia ao desejo, já nele antigo, de admirara de perto a famosa Torre, mais velha que Portugal – ambos desceram ao pomar. O visconde, com o guarda sol ao ombro, pasmou em silêncio para a Torre; reconheceu (apesar de liberal) o prestígio que resulta de uma tão alta linhagem como a dos Ramires…”
In A Ilustre Casa de Ramires , Eça de Queiroz

 

publicado por Trasmontesdepaisagens às 00:01

link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 25 de Junho de 2009

Mão do Homem

O único testemunho conhecido até agora em Vila Real, da época do Bronze Final, é o altar rupestre da Mão do Homem, constituído por um penedo granítico em cuja superfície superior podem ver-se diversas representações em baixo-relevo de mãos, assim como figuras zoomórficas e outros sinais de significado desconhecido.

 

 

 

publicado por Trasmontesdepaisagens às 00:01

link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 24 de Junho de 2009

Real Filatório de Chacim

O Real Filatório de Chacim é criado em 1788, por decreto de D. Maria I. A proposta de fundação de um real filatório e de escolas de fiação para a província de Trás-os-Montes, insere-se num plano mais vasto de desenvolvimento da produção da seda em Portugal, na senda do impulso manufactureiro registado na última fase do período pombalino.
O Real Filatório de Chacim simboliza uma tentativa de fomento de um sector produtivo no âmbito das actividades transformadoras, preconizando também a introdução em Portugal de uma tecnologia de vanguarda no seio da indústria sericícola. A introdução do moinho de seda redondo em Chacim constitui para alguns autores uma transferência tecnológica piemontesa. Desde o século XIV que no Norte de Itália se aperfeiçoava o trabalho da seda com base num moinho redondo. Em Piemonte associou-se uma dobadoura mecânica ao moinho redondo, permitindo uma produção à escala industrial e afastando-a um pouco dos padrões manufactureiros até então praticados. No entanto, o filatório de Chacim não parece ter revelado a existência desta dobadoura mecânica, sendo este trabalho realizado manualmente pelas mulheres. Mas a introdução do moinho redondo de seda, é só por si, uma inovação tecnológica de extrema importância para Portugal, ainda que sem grande continuidade, permitindo obter um produto de elevada qualidade face ao produzido habitualmente. O fio fabricado por este sistema alcançava um superior grau de torção, uma maior uniformidade e um brilho mais significativo.
Os vestígios materiais existentes em Chacim são significativos do desenvolvimento da actividade de fiação, tanto em termos do edificado, caso das ruínas do edifício da fiação, da casa dos casulos, como dos testemunhos da laboração existentes in situ e dos instrumentos de laboração exumados durante os trabalhos arqueológicos. Existem também alguns vestígios construtivos da distribuição e condução da água, testemunhando a força motriz utilizada.
O que resta do edifício da fiação é um testemunho importante de uma instalação laboral em altura, constituindo um exemplo significativo no âmbito do património industrial.
 

publicado por Trasmontesdepaisagens às 00:01

link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 23 de Junho de 2009

Calçada da Ponte da Misarela

 

 

tags:
publicado por Trasmontesdepaisagens às 00:01

link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 22 de Junho de 2009

Portal da Quinta da Nogueira

O concelho de Mogadouro é essencialmente rural, vivendo da agricultura e da pecuária. Para além do sector primário, Mogadouro possui diversos serviços e uma zona industrial, com armazéns, oficinas e alguma indústria ligada à agricultura. Noutros tempos, o gado cavalar teve muita importância em Mogadouro, não só para os trabalhos agrícolas e como meio de transporte, mas também porque existiu na Quinta de Nogueira uma caudelaria que chegou a ser considerada como a segunda caudelaria do país, depois da de Alter do Chão. Também no tempo da família dos Távoras, Senhores de Mogadouro (séculos XV a XVIII), na referida Quinta de Nogueira e na chamada Quinta Nova (contíguas), e ambas suas, esta nobre família tinha criação cavalar e aí tinha uma grande coutada de caça.

Na Idade Moderna, a história de Mogadouro anda associada à nobre família dos Távoras, seus senhores, desde o século XV ao XVIII. Os Távoras habitaram a alcáçova do seu castelo de Mogadouro e deixaram obra notável neste concelho. Aos Távoras se deve (neste concelho) as seguintes pontes: A ponte de Remondes (1678); a ponte de Meirinhos (1677); o pontão da Quinta das Quebradas (finais do século XVIII); a ligação Mogadouro Castelo Branco (Século XVII); o pontão de Zava (finais do século XVII); a ponte de Vilarinho dos Galegos (século XVII) e a ponte Gamona em S. Martinho do Peso (século XVII). "Pelo que fica exposto acima, podemos concluir que os Távoras executaram, no final do século XVIII, um plano de renovação e construção de vias e pontes principalmente no concelho de Mogadouro do qual eram senhores, o qual levou a uma eficaz ligação com os outros concelhos limítrofes. Este plano de vias só seria alterado completamente no final do século XIX e depois já bem adiantado o século XX e quase todas as pontes construídas naquele tempo do século XVII ainda hoje servem o tráfego automóvel e continuam com perfeita e plena segurança a servir as populações, aguentando o ruído e o peso dos motores dos veículos que sobre elas passam todos os dias e a toda a hora". Não foi só no campo das ligações rodoviárias que esta poderosa família do Antigo Regime deixou obra neste seu concelho.Também muitas obras religiosas têm o seu patrocínio. Assim, deve se a esta nobre família, entre muitas outras: A Igreja da Misericórdia de Mogadouro, (2 ª metade do século XVI); os nichos dos Passos, que rodeiam grande parte da zona histórica, (finais do séc. XVII ou princípios do séc. XVIII); a Igreja Paroquial de Mogadouro recebeu grandes obras patrocinadas pelos Távoras (como o atesta o seu brasão que se encontra esculpido na chave da abóbada da capela mor desta Igreja); o monóptero de S. Gonçalo, (séc. XVII XVIII), na Quinta Nova, termo de Penas Roias; o baldaquino de S. Sebastião, (séc. XVII), que se encontra entre os Largos Trindade Coelho e Duarte Pacheco, no centro desta vila de Mogadouro; e o próprio convento de S. Francisco (séc. XVII). Ainda hoje é possível encontrar vários brasões dos Távoras no concelho, apesar da sanha do Marquês de Pombal, que se abateu contra esta família. No concelho de Mogadouro, temos os seguintes brasões dos Távoras: Na igreja do convento de S. Francisco, sob o arco triunfal, na chave do mesmo; na igreja paroquial de Mogadouro, na chave da abóbada da capela-mor; na Quinta do Marmoniz (arredores da vila), no tanque junto da casa, está gravado o brasão no granito do depósito; "Na sacristia da Igreja Paroquial de S. Martinho do Peso, concelho de Mogadouro, existe ainda uma caixa de madeira de castanho que servia para guardar corporais e sanguinhos a qual tem pintado o brasão dos Távoras. A caixa deve datar dos séculos XVI ou XVII. Na mesma Igreja Paroquial e na retaguarda do altar mor, do lado esquerdo, está um brasão pintado com as insígnias dos Távoras. Este brasão está pintado a fresco, data do século XVI. Do lado direito está o brasão da Ordem de Cristo também pintado a fresco. No retábulo do altar mor da mesma igreja paroquial de S. Martinho do Peso gravados na talha dos dois lados do sacrário, estão dois brasões dos Távoras em forma estilizada. O retábulo, como já o dissemos na obra sobre o assunto, é de 1744

 

António Pimenta de Castro Licenciado em História e Docente do Ensino Secundário na Escola Dr. Ramiro Salgado (Torre de Moncorvo), Mogadouro 2002
 

In iii volume do Dicionário dos mais ilustres Trasmontanos e Alto Durienses,
coordenado por Barroso da Fonte, 656 páginas, Capa dura.
Editora Cidade Berço, Apartado 108 4801-910 Guimarães 

publicado por Trasmontesdepaisagens às 00:01

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.posts recentes

. Ermida Nª Sra do Carmo

. Farol do cabo de São Vice...

. Menir de Outeiro

. Sobreiro

. Castelo de Belver

. Sé da Guarda

. Castelo de Barbacena

. Moinho

. Pelourinho de Barbacena

. Depois da Festa das Flore...

. Vida no Campo

. Fruta Laminada

. Miradouro de São Leonardo...

. True colors

. Carabelho ou Pica-porta

. Capela - Ferreira do Alen...

. Canastro ou espigueiro

. Janela Portuguesa

. Barco

. Castelo de Óbidos

.arquivos

. Março 2017

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Junho 2014

. Maio 2014

. Setembro 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

.tags

. todas as tags

.links

.Visitas

Criar site

.Live Traffic (since 6-2-16)

Flag Counter
Protected by Copyscape Online Plagiarism Detector