Sábado, 1 de Maio de 2010

Castelo e casario de Vinhais

 

O castelo de Vinhais é o produto das tentativas de centralização do território transmontano em “vilas novas”, directamente sob controlo do rei e mais aptas a desempenhar as funções de atracção e de organização dos homens. A primeira tentativa para constituir esse pólo urbano aconteceu no reinado de D. Sancho II, mas só no de D. Afonso III (já depois de uma primeira tentativa deste monarca em 1253, ano em que passou carta de foral à localidade) se constituiu a vila, “num cabeço fronteiro a Crespos”, onde existia um primitivo núcleo de povoamento centralizado em torno da igreja de São Facundo.

De instituição portanto tardia, a própria construção da vila (com seu castelo e igreja matriz) terá sido bastante demorada, não se referindo o seu templo paroquial no Catálogo de 1320-21. Rita Costa Gomes admite que as muralhas se terão concluído ainda no século XIII e que, na centúria seguinte, foram objecto de uma reforma. Não estamos em condições de confirmar esta hipótese mas, a ser assim, poderemos equacionar que o núcleo instituído por D. Afonso III denotaria muitas insuficiências, a ponto de, no tempo de seu sucessor, se terem logo efectuado melhoramentos significativos.

Em qualquer dos casos, parece certo que, no reinado de D. Dinis, o sistema militar de Vinhais estava em laboração, datando dessa época uma cerca com cinco ou seis torres, cuja porta principal era flanqueada por duas delas, numa composição harmónica e simétrica característica da arquitectura das vilas urbanas do tempo de D. Dinis. Por não dispor de alcáçova, a torre de menagem estava integrada na cerca, de acordo com a tipologia dos castelos góticos. A própria planta do conjunto, definindo uma área muralhada de perfil oval, ainda que ligeiramente irregular, é uma prova do tempo claramente gótico da construção.

O castelo de Vinhais desempenhou importante papel no século XIV, na conturbada conjuntura do reinado de D. Fernando e da revolução que se lhe seguiu. Entre 1369 e 1371 foi ocupado por tropas castelhanas e, escassos doze anos depois, o seu alcaide tomou o partido espanhol. O estatuto periférico da fortaleza, reforçado pela extrema proximidade do reino de Castela, com o qual dispunha de fáceis vias de acesso, terá acentuado a maior ligação dos senhores do castelo aos invasores, facto que se voltou a repetir em 1397, quando o alcaide João Afonso Pimentel se revoltou contra D. João I e abraçou a causa castelhana, só voltando à posse nacional em 1403.

No caminho para o final da Idade Média, o castelo foi objecto de várias reformas, havendo a notícia de trabalhos realizados no reinado de D. Afonso V, altura em que o comando da fortaleza estava estabilizado na linhagem dos condes de Atouguia. Da viragem para o século XVI é a mais antiga representação do conjunto, da autoria de Duarte d’Armas, escudeiro do rei D. Manuel. Tão importante quanto este desenho são as informações aí constantes, em particular as que se referem ao mau estado da fortaleza: a face interna da torre de menagem, voltada para a vila, estava já destruída e duas das restantes torres mostravam desgaste das fundações.

Ao longo da época moderna, e apesar de se terem edificado uma barbacã e vários torreões complementares (estes últimos datados do século XVI), a destruição do sistema defensivo foi uma evidência, em benfício do avanço de construções privadas, que rapidamente se adossaram aos velhos muros. Em 1527 já se diz que as muralhas estavam parcialmente derrubadas e, nos dois séculos seguintes, existiram algumas tentativas para reverter esta situação, todavia sem sucesso.

Nos inícios da década de 60 do século XX, a autarquia tentou destruir o que restava da fortaleza, mas contou com a resistência da população. A partir desse ano, deram-se obras de restauro, a cargo da DGEMN, que pretenderam consolidar o que ainda restava: as três portas, duas das torres remanescentes e alguns panos de muralha, reconstruídos parcialmente.

publicado por Trasmontesdepaisagens às 09:16

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.posts recentes

. Castelo e casario de Vinh...

.arquivos

. Março 2017

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Junho 2014

. Maio 2014

. Setembro 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

.tags

. todas as tags

.links